ClienteAdriana

Depoimento

Mal vi a Íris com o seu enorme sorriso, à entrada do prédio onde a sessão ocorreu, percebi que as nossas almas se iriam dar bem. Antes de entrarmos no apartamento fomos a um café a frente, para acordarmos um bocadinho (e para eu pintar as unhas à pressa) e a conversa começou a desenrolar-se de uma forma genuína e natural. Gostei logo dela, pelos seus ideias, pela simpatia, por ser tão desenrascada e tão dada. Em pouco tempo falamos de coisas íntimas e dei por mim a contar-lhe sobre a minha luta contra os distúrbios alimentares que tive em jovem e pela aceitação do meu corpo. Quando o momento da sessão fotográfica chegou, já tínhamos quebrado o gelo e já sabíamos mais ou menos como a outra era. Havia uma cumplicidade, posso assim dizer, que facilitou o trabalho. Lembro-me de ela me perguntar “estarias ok se eu usasse Photoshop e se sim em quê? Há clientes que querem que esconda a celulite e assim” e eu respondi “nada disso. Não quero que mudes nada no meu corpo, trabalhei tanto para o aceitar. Ele é assim e é o corpo que me permite viver, ter saúde e sentir o mundo, como pode ser mau?”. A Íris sorriu e respondeu “eu diria o mesmo”. Nesse momento eu adorei-a. Adorei-a pela pessoa linda que ela é, pela vontade que ela tem em ajudar as mulheres a verem a sua própria beleza e a aceitarem os seus corpos. Mais do que aceitar, a abraçar, a amar, a estarem confortáveis neles. E este trabalho enquanto fotógrafa não tem preço, só carinho e gratidão.